Inspirações

A psicologia das cores pode mudar a forma como o público percebe a sua marca

Compartilhe.

A cor não está nos objetos. Ela também não está nos nossos olhos. Quando uma imagem é captada pela retina, ela é apenas informação em forma de sinais elétricos que só ganharão significado no nosso cérebro. Este é um processo longo – e muito rápido – em que várias regiões do cérebro são ativadas, inclusive as relacionadas às emoções e à memória. É neste momento que conseguimos ter a percepção das cores.* 

Na forma como percebemos as cores, alguns aspectos são evolutivos, inatos aos seres humanos, e outros são influência do contexto cultural. O fato é que elas nos ajudam a distinguir coisas, provocam sentimentos em nós e despertam nossos gostos e desgostos. Por isso, o entendimento das suas influências é tão importante para quem está construindo uma marca ou a identidade visual de um produto. 

Pensando nisso, reunimos para você algumas informações essenciais sobre a psicologia das cores. Confira: 

A mensagem por trás da cor
O primeiro passo é saber diferenciar as cores quentes das frias, isso porque essa característica está diretamente atrelada à influência dessas cores em nosso cérebro e a associação delas com determinados segmentos do mercado. 

Cores quentes
As cores quentes, como o vermelho, laranja, amarelo e todos os tons que sejam obtidos da mistura dos três, incluindo azuis ou verdes mais claros chamam a atenção e estimulam o desejo do consumidor. 

Vermelho
Função: O vermelho transmite automaticamente a ideia de energia e de urgência, de intensidade.
Aplicação: É a cor ideal para o uso em promoções, já que incentiva a compra impulsiva devido à sensação de urgência.

Amarelo
Função: O amarelo passa a ideia de felicidade e otimismo, sendo uma cor que estimula a conexão.
Uso: É uma cor estratégica para ser usada em embalagens, já que tem o poder de prender a atenção do consumidor.

Laranja
Função: Traz um ar de vivacidade e entusiasmo, além de estimular o apetite.
Uso: Por estimular o apetite, é muito vista em embalagens de produtos alimentícios. A cor também é muito bem recebida pelo público jovem. 

Azul
Função: É a cor responsável por passar confiança e tranquilidade.
Uso: É comum na identidade de instituições financeiras, que precisam transmitir seriedade. Muito presente também nas redes sociais, que buscam passar a ideia de um lugar seguro para o usuário. Já nos artigos de bebês, a mensagem é a de conforto e segurança.

Preto
Função: Comunica poder e sofisticação.
Uso: Sua presença é certa em artigos de luxo, que visam um público-alvo com maior poder aquisitivo ou em versões deluxe de produtos comuns. Sua aplicação deve ser cautelosa, já que a cor também está associada ao luto.

Cores secundárias, frias e tons neutros
São cores frias os azuis e verdes mais escuros, assim como tons de roxo, cinza e branco. Em geral, são mais calmas, mas devem ser utilizadas com cuidado para não transmitir sobriedade em excesso. Em geral, devem ser evitadas em produtos alimentícios para não causar estranheza nos consumidores. 

Verde:
Função: Está associada à estabilidade e ao equilíbrio.
Uso: Muito associada a produtos de saúde, por ser uma cor mais sóbria, tem também um efeito calmante. 

Roxo:
Função: Transparece nobreza, sabedoria e inovação.
Uso: É comum em produtos de beleza, cosméticos e marcas que querem se vender como criativas.

Já o cinza e o branco devem ser usados com cuidado. São cores extremamente neutras, podem transmitir a ideia de vazio e ausência de personalidade da marca. 

As cores e o público-alvo
Agora que você já sabe o papel de cada cor, vamos partir para o uso estratégico considerando a personalidade do seu público-alvo:

Se seu produto está aliado a sensações ligadas ao impulso, como sentir fome, é de se imaginar que seu público-alvo seja mais influenciável. Nesse caso, apostar nas cores vermelho, amarelo, azul royal e laranja é o ideal.

Agora, se você trabalha com produtos que demandam mais racionalização, voltados para um público que se planeja antes de efetivar a compra, o recomendado é focar em cores mais sóbrias e frias, como verde e azul-marinho.

Preferências por gênero
Diferentes estudos concluem que, em geral, os homens tendem a ser atraídos pelas cores azul, verde e preto, enquanto ignoram tons de roxo.

Em contrapartida, as mulheres teriam o roxo como uma de suas cores favoritas, seguidas por tons de azul e verde. Já o cinza seria uma das cores desprezadas por elas. 

A cor da embalagem
Além das cores da arte de acordo com a identidade visual da sua marca, é importante pensar sobre a cor do material do qual é feita a sua embalagem. A natural, com as duas faces na cor original do papel kraft, remete a uma produção mais humanizada, com a utilização de menos recursos na confecção daquela caixa, podendo levar a mensagem subliminar do consumo consciente. 

Já o papel branco transmite mais sofisticação tanto numa arte minimalista quanto numa impressão que valorize mais as cores. As opções mesclado (kraft por fora e branco por dentro) e mesclado invertido (branco por fora e kraft por dentro) oferecem a versatilidade do papel para que você possa transmitir a mensagem adequada para o seu público-alvo, explorando as possibilidades de impressão e percepção. 

Para saber mais sobre como combinar cores, tipografia e ilustrações na criação da arte para uma embalagem é só dar uma olhada nessa outra matéria INSERIR LINK . E aí, que tal começar a criar agora? ? 

 

*Fonte: Entrevista da neurocientista Claudia Feitosa Santana para o podcast “Beleza pra quem? – Cores para que te quero”, de junho de 2019.

 

Até já,

Time Klabin ForYou

Inscreva-se 😉