Inspirações

Mercado editorial se reinventa com a experiência de compra

Compartilhe.

O ano de 2018 marcou o mercado editorial. As duas maiores redes de livrarias do Brasil – que representam 40% do setor – entraram com processos de recuperação judicial e fecharam dezenas de lojas. 

Apesar do revés das vendas físicas, o e-commerce de uma dessas gigantes do setor  viu seu faturamento online crescer 6%*. Um retrato de que as pessoas não estão deixando de ler – segundo a 4ª edição da pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, 56% dos brasileiros leem -, mas estão mudando os seus hábitos de consumo. 

Perguntado pelo portal Money Report sobre o que seria necessário para a sobrevivência das livrarias (físicas ou virtuais), Bernardo Gurbanov, presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL), foi enfático. “Na minha opinião, a base da proposta de valor está na atenção maior ao leitor.”

Os clubes de assinatura de livros são um exemplo disso: a grande maioria conta com um time de curadoria que divide com o leitor-consumidor desde o processo de escolha dos livros enviados até a seleção dos brindes. O comando é um só: instigar a curiosidade do leitor para que ele retorne pela experiência. 

Aqui, a forma como o livro chega até o consumidor final é ressignificada: é o convite para uma jornada, uma estratégia de fidelização.

Entre os clubes de destaque – cujas assinaturas variam entre R$30 e R$180 -, o cuidado com a embalagem é grande. As entregas são muito personalizadas ,  acompanhadas por uma carta feita à mão, uma frase impressa diretamente na caixa e que simule uma escrita manual ou até mesmo um sachê aromático que tenha relação com a obra em questão.

Se o foco na etapa final de consumo é capaz de reinventar um setor tradicional  como o mercado editorial, imagine o que uma embalagem pode fazer pela sua marca. Visite nossa plataforma e experimente! <3

*Ranking SBVC 70 Maiores Empresas do E-commerce Brasileiro 2017

Até já,

Time Klabin ForYou

Inscreva-se 😉